Might of Ra

Mortes no Trânsito: Bianca Duccini, professora de Psicologia da Braz Cubas, explica como a agressividade pode tirar a atenção dos condutores e causar fatalidades

Em um mundo onde a conveniência e pressa muitas vezes superam a segurança, as estatísticas de mortes no trânsito continuam a ser um lembrete da importância de dirigir com responsabilidade. Enquanto a tecnologia automotiva avança, a cautela nas estradas permanece um desafio social e governamental, sendo prioridade nos debates relacionados à mobilidade e violência. 

Segundo Bianca Duccini, mestra em Psicologia Clínica com foco em luto por morte violenta e professora do curso de Psicologia do Centro Universitário Braz Cubas, o comportamento no trânsito é uma representação de como as pessoas interagem nas ruas e a agressividade de um motorista está intrinsecamente ligada à maneira como ele regula suas atitudes em outros aspectos da vida. Ou seja, como cada indivíduo conduz um veículo revela muito sobre sua personalidade e sua maneira de se relacionar com o mundo ao seu redor. 

Desenho da Disney mostra maus hábitos no trânsito, foi lançada em 1950

“O trânsito é feito por cada um de nós e, ao dirigir, levamos para essa relação com o trânsito tudo aquilo que nos compõe”, explica. “Vale ressaltar que as condições de trabalho no trânsito podem acrescentar uma camada extra de estresse que pode potencializar a expressão de agressividade. Por isso é tão importante considerar as habilidades emocionais dos condutores, mas também abrir espaço para discutir como as formas precárias de trabalho influenciam a vida e a morte de condutores”, afirma. 

A agressividade, então, costuma tirar a paciência de demais motoristas, incentiva discussões e enfrentamentos no trânsito, o que pode ser muito perigoso para a vida. Nesses casos, a especialista aconselha que o melhor a fazer é evitar reagir às agressões.

As leis direcionam os comportamentos desejáveis e legalmente seguros, como o uso da buzina em toque leve para sinalizar, alertar e até prevenir acidentes. Assim, respeitar as leis de trânsito é fundamental para um trânsito seguro: por exemplo, ultrapassagens indevidas, velocidades incompatíveis e uso de álcool são ações que podem ser evitadas pelos motoristas. 

“Mortes por acidentes foram responsáveis por 32.652 óbitos no Brasil só em 2021, sendo as principais vítimas jovens entre 15 e 29 anos. Esses dados justificam o reconhecimento universal pela Organização Mundial da Saúde (OMS), de que fatalidades e lesões decorrentes de acidentes no trânsito estão entre as ameaças mais graves ao desenvolvimento sustentável dos países, evidenciando que a segurança nas ruas e avenidas não podem ser negligenciadas ou negociadas, mas faz parte de uma agenda urgente para assegurar o futuro”, comenta. 

A psicóloga reforça: muitos problemas no trânsito são evitáveis e práticas como o uso de celular, consumo de drogas e bebidas alcoólicas, além da não aderência às leis de trânsito, facilitam sinistros, acidentes, desentendimentos e até a morte. 

A professora de psicologia da Braz Cubas finaliza dizendo que um trânsito seguro acontece quando o condutor compreende sua responsabilidade compartilhada no cuidado consigo mesmo e com terceiros. “Em caso de desentendimentos, a melhor saída é garantir a própria segurança e não incentivar a situação conflituosa.” 

Share This
Might of Ra Mapa do site